A Criatura da Destruição

a criatura“She Creature”, primeiramente anunciado como o nome de Mermaid Chronicles Part 1: She Creature, é um filme feito para televisão em 2001 estrelado por Rufus Sewell , Carla Gugino e Rya Kihlstedt e dirigido por Sebastian Gutierrez. Esse filme foi o primeiro de uma série de filmes que homanagearam filmes antigos que tinham o mesmo nome, embora não sejam refilmagens desses filmes.

“A Criatura da Destruição” conta a história de Angus Shaw e sua esposa, Lilian, que estão viajando para o campo no início do século 20. Eles fazem parte de uma trupe que promete um show de criaturas e monstros, mas que na verdade são só atores usando fantasias e que são apresentados ao público usando efeitos de espelho e fumaça para enganá-los.

Lilian acredita que poderia oferecer um show mais incrível fingindo ser uma sereia, mas uma noite um marinheiro mostra a Lilian e Shaw uma sereia de verdade que eles tinham. Espantados, e sabendo a fortuna que poderiam fazer exibindo-a, eles decidem roubar a criatura. No entanto, durante sua viajem para a América, eles acabam descobrindo que a criatura gosta de sangue humano. Ao tentar matar um dos tripulantes, Shaw atira nela e ela desfalece. Mas quando ela acorda e percebe que sua cauda foi arrancada, ela se transforma em uma criatura horrível e mata todos da tripulação, e Angus tenta matá-la atirando em seu peito. A criatura furiosa o mata com suas barbatanas, mas curiosamente ela não mata Lilian e volta para o mar, onde milhares de outras sereias aparecem.

A Stan Winston Studio foi a escolhida para fazer os efeitos especiais do filme, e tiveram que trazer à tona uma sereia sem precedentes na história so cinema. “A sereia que nós precisávamos criar para esse filme tinha que ser muito mais orgânica… e não parecer de nenhuma forma uma mulher usando uma roupa de sereia”, disse Stan. Com um orçamento limitado de 3,5 milhões de dólares e um cronograma de apenas três semanas, era uma tarefa bastante complexa. O principal conceito por trás da sereia era sua capacidade de transformar sua aparência inicial para a de uma criatura muito mais monstruosa e abissal. Ela é, na verdade, uma Rainha da sua espécie, que vivem me ilhas remotas no oceano. Ela é capaz de influenciar psicologicamente os seres humanos e induzir pesadelos. Abaixo estão as primeiras imagens de como seria a sereia do filme:

artes concepcionais (1) artes concepcionais (5) artes concepcionais (4)
artes concepcionais (3) artes concepcionais (2)

A primeira ‘versão’ que vemos da sereia é interpretada pela atri Rya Kihlstedt – o processo de sua maquiagem durava três horas todos os dias. Mãos protéticas com membranas foram esculpidas, fundidas em látex e usados como luvas pela atriz. Foram necessárias várias perucas para que se chegasse ao resultado esperado – os primeiros desenhos a mostravam com um cabelo que lembravam algas e testáculos. Mas eles não foram considerados atraentes o suficiente e foram descartados em favor do resultado final – um cabelo longo que lembrava algas com diferentes cores. Dentes artificiais, que lembravam piranhas, foram construídas por David Beneke.

shecreature a criatura (2) a criatura (6)
a criatura (1) a criatura (10) a criatura (9)
a criatura (7) a criatura (8)

A sereia passa a maior parte do tempo em um aquario, projetado especificamente para esconder certas partes do equipamento e seus mecanismos. Quando a sereia foi interpretada pela atriz, foram usadas uma combinação de atuação e cauda mecânica em tamanho real, movido por Richard Landon, abaixo do tanque. O problema era que a cauda tinha que ser reconhecível e inovador ao mesmo tempo. Shane Mahan disse: “Estávamos procurando por algo que fosse, obviamente, uma sereia, mas quando você olhasse para ela, visse que era real!”. Para isso, era imperativo que não fosse possível ver as pernas da atriz. Mahan conta que foram feitas muitas pesquisas, e que na maioria dos filmes feitos antes era possível ver os joelhos dentro da cauda. Desse modo, a atriz foi digitalmente combinada com uma cauda animatrônica. Em algumas cenas também foi utilizada um boneco de tamanho real que pesava cerca de 90kg.

É no clímax do filme que a criatura finalmente revela sua aparência monstruosa. Alguns modelos foram construídos para possibilitar a transformação “de atriz para monstro”, e sua cabeça foi pminiaturarojetada para refletir seu status de rainha, com uma longa crista adornando sua cabeça – de fato, a cabeça foi esculpida separada da cabeça por uma equipe separada de escultores. Extesões metálicas foram usadas para criar as longas mãos da sereia, e seis farpas de aço servem como armas perfurantes da sereia. O projeto também teve que ser feito com a idéia de que o filme se passava em 1900: “Eu acho que se o projeto fosse mais moderno, ele poderia não ter funcionado muito bem”.  Nesse momento, saiu a atriz Rya Kihlstedt e entrou a bailarina e atriz Hannah Sim. Um processo foi utilizado para a parte superior da sereia – combinando o ‘corpo’ da sereia com a parte inferior de seu corpo. As pernas da atriz eram dobradas dentro do corpo e foi necessária uma grande força para fazer ângulos específicos enquanto estava dentro do boneco: era necessário que a sereia andasse como uma enguia.

a criatura (2) a criatura (5) a criatura (4)
a criatura (1) shecreaturemheadless a criatura (3)

Fontes:
Monster Gallery: She Creature (2001). Acesso em 01 de Abril de 2015.
The Queen of the Lair. Acesso em 01 de Abril de 2015.

Anúncios